Cadastra-se para receber notícias
Balanço

31/08/2006 12:00

Tamanho da fonte

O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) é uma boa política agrícola que tem potencial para se tornar uma política de desenvolvimento rural, disse o professor do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Rural da UFRGS, Sérgio Schneider, durante audiência pública da Comissão de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo (CAPC) realizada na manhã desta quinta-feira (31/08), no Parque de Exposições da Expointer. A manifestação resume a tônica das opiniões dos participantes quanto ao balanço dos 10 anos do Programa. Temos mais a comemorar do que a criticar, mas podemos avançar ainda mais neste sentido, acrescentou o docente.

O coordenador geral de Financiamento à Produção Rural do Ministério do Desenvolvimento Agrário, João Luiz Guadagnin, destacou o fato de o Pronaf ter sido a primeira política dedicada à agricultura familiar e de o programa ter a menor taxa de inadimplência de todos os programas de crédito (1% para custeio e 2% para investimento). O RS é o estado com maior liberação de acesso às linhas de financiamento disponibilizadas pelo Pronaf, salientou. Neste ano safra, R$ 7,5 bilhões já teriam sido contratados e mais de R$ 1,75 milhão teria sido investido em 5200 municípios do país. Hoje, o Pronaf foi assimilado pela sociedade e pela classe política, tanto que nenhum candidato defende a sua extinção, ressaltou.

Já Schneider creditou a consolidação do Pronaf ao fato deste ter sido encampado por mais de um governo; ter sido construído conjuntamente entre Estado, movimentos sociais, universidades e produtores; ser eficiente na função de redistribuir renda para a sociedade e ter estimulado a retomada da Extensão Rural no país. Como desafios para o futuro do programa, entre outras questões, reforçou a necessidade de se privilegiar não somente o volume de recursos disponibilizados e a quantidade de contratos, mas a qualidade destes. No RS, por exemplo, o Pronaf investe 1 bilhão de reais ao ano, mas os produtores ainda sofrem as mesmas dificuldades. Como está sendo utilizado este recurso? Talvez o jeito de fazer agricultura tenha de ser repensado , opinou.

Para o presidente da CAPC, deputado Elvino Bohn Gass (PT), o Pronaf auxilia na sobrevivência dos produtores familiares e na permanência destes trabalhadores no campo. Há 10 anos, o Pronaf inaugurou a presença da agricultura familiar nas políticas públicas federais. Hoje, está integrado ao dia a dia destes produtores e deve ser valorizado ainda mais por suas várias funções. Vida longa ao Pronaf, finalizou Bohn Gass.

Também se pronunciaram sobre os 10 anos do Pronaf, o delegado do MDA no RS, Nilton Pinho de Bem, o presidente da Emater, Ricardo Schwartz, o superintendente de Agronegócio do Banco do Brasil José Kochhann, representantes da Fetraf-Sul, Fetag, Sicredi, Banrisul, Crenor, Cresol, entre outros.

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter