Cadastra-se para receber notícias
Agricultura familiar

26/06/2007 12:00

Tamanho da fonte

O deputado Elvino Bohn Gass (PT) representará a Assembléia Legislativa nesta quarta-feira (27), em Brasília, no lançamento oficial do Plano Safra da Agricultura Familiar. Bohn Gass avalia que este é o melhor Plano Safra de todos os tempos porque nunca antes um governo destinou tanto dinheiro para a agricultura familiar. Serão 12 bilhões de reais disponibilizados para custeio, investimento e comercialização do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), R$ 2 bilhões a mais do que foi investido na safra 2006/2007, que podem ser utilizados por até 2,2 milhões de famílias. A mudança mais significativa do novo plano está nos juros: na safra 2006/2007 ficaram entre 1% e 7,25% ao ano. Na safra 2007/2008, serão mais baixos, variando de 0,5% até 6% ao ano e beneficiando especialmente as famílias de mais baixa renda.

Os agricultores familiares sempre lutaram para que as políticas públicas contemplassem o aproveitamento de toda a propriedade com diversificação de culturas e atividades e não apenas o estímulo a uma ou outra produção, diz Bohn Gass, ressaltando que a agricultura familiar responde por 77% das ocupações produtivas e empregos no campo, por 85% do total de estabelecimentos rurais e por 60% dos alimentos que chegam à mesa das famílias brasileiras e pela matéria-prima para muitas indústrias.

Avanços

O novo Plano Safra traz novidades como a ampliação dos limites de financiamento e a facilitação do enquadramento dos agricultores ao Pronaf . O que nos anima é que, a partir desta safra, as famílias agricultoras poderão contar com recursos para investimentos destinados à implantação ou recuperação de tecnologias de energia renovável como o uso da energia solar, eólica, biomassa, mini-usinas para biocombustíveis e a substituição da tecnologia de combustível fóssil para renovável nos equipamentos e máquinas agrícolas, comenta Bohn Gass.

Para o petista, outra grande virtude deste Plano Safra é que ele permite o financiamento do cultivo de cana-de-açúcar para a produção de etanol. Esta ação insere a agricultura familiar em um dos setores agrícolas mais importantes para o país, além de contribuir para a redução do nível de poluentes na atmosfera e, conseqüentemente, o aquecimento global do planeta, diz o deputado.

O deputado chama atenção para o fato de que, com este Plano Safra, os agricultores poderão ampliar e diversificar as atividades, investindo em artesanato, na produção de alimentos de consumo local, na criação de pequenos animais, no cultivo de plantas aromáticas e de uso medicinal, por exemplo.

E mais: o Plano Safra da Agricultura Familiar 2007/2008 contará com mais R$ 400 milhões de reais para o Programa de Aquisição de Alimentos, sendo que o Ministério do Desenvolvimento Agrário será responsável pela execução de parte de suas modalidades e parte dos recursos, que chegarão nesta safra a superar os R$ 100 milhões (no MDA). Isso prova que a gestão dos ministros gaúchos Miguel Rossetto e Guilherme Cassel faz muito bem à agricultura familiar porque ouve os produtores e trabalha no sentido de atender suas reivindicações históricas, finaliza Bohn Gass.

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter