Cadastra-se para receber notícias
Governo Yeda

13/08/2007 12:00

Tamanho da fonte

Será muito difícil que a governadora Yeda consiga sanear as finanças do Governo porque ela não ataca a sangria dos cofres públicos com incentivos fiscais para grandes empresas, não cobra sonegadores e não tem política de desenvolvimento. Mas o pior é que, em nome deste saneamento financeiro, seu governo vem estraçalhando serviços essenciais de saúde, educação, segurança e agricultura. A bola da vez é a Emater, um braço fundamental do setor agrícola onde já estão acontecendo demissões. O que ninguém admite mas os funcionários já sentem é que tem havido uma influência muito grande dos tecnocratas do governo, que pouco ou quase nada conhecem da realidade da agricultura, em detrimento da autonomia de gestão da própria Emater. Ao impor à empresa responsável por toda a assistência técnica rural um corte de 30% no custeio, Yeda está condenando todo um sistema que, em última análise, é o grande responsável pelos bons resultados agrícolas gaúchos. Na Emater, reduzir custeio é reduzir pessoal porque a ação básica da empresa é o atendimento direto prestado pelos profissionais (agrônomos, veterinários, extensionistas, técnicos agrícolas...) aos agricultores. Com o atraso na renovação do convênio entre o Governo e a empresa empacado porque Yeda oferece R$ 7 milhões/ano e o orçamento mínimo da Emater prevê R$ 8,5 milhões o que se tem visto é um corpo técnico inseguro e, por conseqüência uma estrutura de extensão rural comprometida. Já estou indo atrás da minuta deste convênio porque não basta assiná-lo rapidamente, é preciso que ele contemple de fato, as condições ideais para um bom trabalho de extensão rural.

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter