Cadastra-se para receber notícias
Armazenagem

26/08/2009 12:00

Tamanho da fonte

O líder da bancada petista na Assembleia Legislativa, deputado Elvino Bohn Gass, criticou a decisão do governo estadual de arrendar as filiais da Companhia Estadual de Silos e Armazéns (CESA) de Santa Bárbara do Sul e Palmeira das Missões para a iniciativa privada. Na opinião do parlamentar, a medida se insere numa política de desmonte da Companhia e mostra o descaso do governo para com a agricultura familiar. "Os silos da CESA são fortes instrumentos de armazenagem dos grãos produzidos pela agricultura gaúcha. Garantem estoques para a população e preços para os agricultores. Sucatear a CESA é sucatear a agricultura", sustentou.

Bohn Gass informou, ainda, que a má gestão do atual governo na CESA fez com que a empresa estadual fosse descredenciada pela Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), deixando de cumprir um importante papel na regulação nacional de estoques. Outro exemplo do péssimo gerenciamento da Companhia citado pelo deputado é o fato do órgão estadual estar sofrendo uma ação de cobrança de R$ 3,1 milhões por conta da contaminação de 5,6 mil toneladas de aveia que estavam estocadas em seus silos. "O próprio governo gera esses prejuízos através de uma administração negligente para, ao fim, entregar a Companhia a grupos privados. Deve ser o que a governadora chama de "choque de gestão"", criticou.

Para o deputado, a situação é grave e exige um pronunciamento forte da Assembleia em defesa da CESA. Para analisar o tema, Bohn Gass pretende sugerir uma audiência pública na Comissão de Serviços Públicos e uma reunião da Frente Parlamentar em Defesa da CESA, que já funciona no parlamento. Bohn Gass, que é autor de um projeto de Lei que pretende instituir o Plano Safra da Agricultura Familiar no Rio Grande do Sul, sustenta que a CESA, em conjunto com a Emater e outros órgãos, pode cumprir um papel estratégico no sistema de produção da agricultura familiar gaúcha. "Queremos que o governo interrompa imediatamente o edital de arrendamento. A CESA pode e deve continuar pública e eficiente", finalizou.

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter