Cadastra-se para receber notícias
Rossetto: Mercosul favorece a geração de emprego e renda

22/05/2015 12:12

Tamanho da fonte

Rossetto: Mercosul favorece a geração de emprego e renda

Em artigo publicado na Folha de S. Paulo no dia 20 de maio/2015, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Miguel Rossetto, rebateu críticas contra a permanência do Brasil no Mercosul. Segundo ele, o bloco é um modelo de integração produtiva que favorece a ampliação do nível de emprego, do bem-estar e da renda nacional’.

Rossetto afirmou que o Mercosul ampliou o papel do Brasil no cenário internacional e vem provando ser um acerto da política externa brasileira. "O Mercosul foi, em 2013, o maior receptor dos investimentos estrangeiros diretos na América Latina e Caribe, recebendo 46,7% dos aportes de capital a toda a região".

Segundo ele, no comércio entre os países do bloco, quase 85% dos produtos exportados pelo Brasil aos sócios do Mercosul são manufaturados. "Em comparação, a média geral da exportação de produtos industrializados do Brasil representa só 48,5%. Ou seja, o Mercosul é um modelo de integração produtiva que favorece a ampliação do nível de emprego, do bem-estar e da renda nacional".


O ministro salientou que o Mercosul transcende a dimensão econômico-comercial. "Por um lado, está orientado pela concretização de direitos e da identidade cultural comunitária. Por outro, fortalece tanto a inserção do Brasil no mundo, como o seu poder de negociação com as grandes potências".


Rossetto pontuou que o Brasil não diminuiu a importância do relacionamento com os Estados Unidos, União Europeia e Japão, que são importantes mercados. "O pertencimento do Brasil ao Brics é hoje – e será cada vez mais – um importante vetor para a concretização dos interesses nacionais e os do Mercosul no mundo. O bloco congrega as principais potências emergentes e terá crescente influência no cenário internacional".

E finalizou: "O nosso governo, liderado pela presidenta Dilma e representado com competência pelo Itamaraty nas negociações internacionais, vai manter como estratégia uma política externa que assegura a projeção do Brasil no mundo e é base constitutiva do nosso projeto de nação".

Do Portal Vermelho, com informações de agências

 

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter