Cadastra-se para receber notícias
Bohn Gass: “Governo mente ao dizer que agricultor familiar está fora da reforma da Previdência”

05/12/2017 08:21

Tamanho da fonte

Bohn Gass: “Governo mente ao dizer que agricultor familiar está fora da reforma da Previdência”

// Audiência pública da Frente Parlamentar em Defesa da Previdência Social Rural ainda teve denúncia de chantagem e anúncio de greve de fome

“O governo mente ao dizer que o agricultor familiar está fora da reforma da Previdência. De forma sorrateira, Temer está colocando em outros artigos a obrigação de contribuição mensal dos agricultores e de todos os membros da família. Na prática, isso acaba com a condição de segurado especial da Previdência, um direito dos agricultores familiares”. A denúncia foi feita pelo deputado Elvino Bohn Gass (PT/RS) nessa terça-feira (5), durante audiência, em Brasília, da Frente Parlamentar em Defesa da Previdência Social Rural.

Bohn Gass, que preside a Frente, disse, ainda, que o governo usa dinheiro público para espalhar a mentira. “Sim, quem está pagando a propaganda mentirosa do governo na mídia é o povo brasileiro. Como titular da Comissão Mista de Orçamento do Congresso, testemunhei às manobras orçamentárias do governo. Eles retiraram verbas de programas sociais e obras, para colocar na propaganda da reforma. Ou seja, o governo gasta dinheiro do contribuinte para mentir ao contribuinte.”

Presente à audiência, o diretor de Políticas Sociais da Contag, Evandro Morello, detalhou a denúncia de Bohn Gass: “O deputado tem razão. A questão está na inclusão de um artigo que estabelece a idade como critério para a aposentadoria do agricultor familiar. Lá, está dito, 65 anos para o homem e 60 para a mulher. Mas, no final, de maneira solerte, eles acrescentaram, com 180 contribuições mensais”.

“Tudo vai acabar na justiça”. É o que prevê a advogada Jane Bervanger, do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP), ainda durante a audiência. Segundo ela, hoje 30% das aposentadoria de agricultores familiares são obtidas por via judicial.  “Tudo vai depender da interpretação do juiz, mas se ele seguir o que está na proposta do governo, será exigida uma contribuição mensal do agricultor familiar”.

CHANTAGEM – A chantagem que o governo Temer vem fazendo ao condicionar a liberação de R$ 3 bilhões para os municípios tendo como contrapartida o apoio dos prefeitos à reforma, também foi debatida na audiência. Para o presidente da Contag, Aristides Veras, o prefeito que aceitar essa condição estará dando “um tiro no pé”. Para Veras, “os pequenos municípios perdem muito com as reformas trabalhista e da previdência porque dependem dos valores das aposentadorias para movimentar a economia local”.

GREVE DE FOME – Ao final da audiência, uma surpresa: o frei gaúcho Sérgio Goergen e as camponesas Josi Costa, do Piauí, e Leila Meurer, da Rondônia, ligados ao Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), anunciaram uma greve de fome contra a reforma da Previdência. Segundo Goergen, “diante da forma brutal como eles insistem nessa injustiça descomunal que é a reforma da Previdência, a gente não poderia mais ficar discutindo com os mecanismos normais de convencimento e de indignação. É um gesto extremo que pretende mostrar ao país que a reforma é que é extrema, já que vai deixar milhões de pessoas com fome.” Os grevistas dizem que só pretendem encerrar o jejum quando a reforma da Previdência estiver “enterrada”.

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter