Cadastra-se para receber notícias
Bohn Gass: Governo complementará produtores que não alcançarem preço de referência no suíno

17/07/2012 03:07

Tamanho da fonte

Bohn Gass: Governo complementará produtores que não alcançarem preço de referência no suíno

Bohn Gass acompanhou o produtor santocristense Clairton Schardong, o prefeito de Santa Rosa, Orlando Desconsi e o presidente da Associação de Criadores de Suínos do RS, Valdecir Folador, durante a mobilização do setor em Brasília

O Governo Federal tomou mais uma medida para ajudar os produtores independentes de suínos que vivem uma crise por conta dos baixos preços. Para tentar garantir que a comercialização aconteça ao menos pelo preço de referência – R$ 2,30 - o governo vai dar aos suinocultores um complemento de até 40 centavos por quilo quando a venda não alcançar este valor.

“Por exemplo, se o produtor vender o porco a R$ 2 o quilo, o governo pagará mais R$ 0,30 centavos para chegar ao preço de referência. Não é a situação ideal, mas a medida demonstra que o governo reconhece as dificuldades do setor e continua buscando encontrar soluções”, diz Bohn Gass.

O deputado segue lutando para que o governo atue, também, em outros três pontos que ele considera fundamentais: o aumento de consumo, o refinanciamento de dívidas e a diminuição de custos dos produtos usados na alimentação dos suínos.

“O governo deve ser parceiro na promoção de uma campanha institucional de divulgação das vantagens de se consumir carne suína, criar uma linha específica para refinanciamento de dívidas dos produtores familiares e, ainda, encontrar mecanismos para reduzir o preço do trato dos animais com atenção especial para o milho”.

Antes do complemento aos independentes, o Governo já havia anunciado a prorrogação automática, por seis meses, dos vencimentos das dívidas de custeio, liberação de R$ 200 milhões para uma linha especial de crédito para a compra do leitão ao preço de R$ 3,60 o quilo, ampliação do financiamento para a retenção de matrizes e  crédito fora do sistema bancário, junto a cooperativas, cerealistas, fornecedoras de insumos e tradings. “São medidas insuficientes, mas que demonstram o esforço que vem sendo feito para atender às dificuldades do setor”.

 

Compartilhe:

  • Facebook
  • Share on Twitter