Por Elvino Bohn Gass | Publicado originalmente na revista Focus*, número 7

Dos muitos crimes do capitão Jair Bolsonaro, o mais grave é a omissão absoluta de seu governo diante do aumento da fome. Mais de 100 milhões de pessoas, hoje, no Brasil, não têm acesso a uma alimentação decente. O número de miseráveis triplicou nos últimos seis meses, de 9 milhões para 27 milhões de pessoas.

Desde o Fome Zero, do saudoso Herbert de Souza, o Betinho, no início do governo Lula, em 2003, travou-se uma luta incessante contra a falta de comida. No governo Dilma veio o resultado: o Brasil saiu do Mapa da Fome Mundial.

Mas, com o golpe de 2016, Michel Temer iniciou a trajetória de retrocessos que Bolsonaro e seu ministro da Economia, Paulo Guedes, aprofundaram. Reduziram os programas de renda mínima e abandonaram políticas públicas vitais como a de compras públicas para pessoas vulneráveis e alimentação escolar.

Com o descaso e o negacionismo no combate à Covid-19, o ingrediente morte foi adicionado na desumana fórmula neoliberal de Bolsonaro/Guedes. Desalento e desesperança são as marcas do atual governo.

Tudo isso ao lado de uma política econômica elitista que privilegia o grande capital, em especial o estrangeiro, com cortes de direitos trabalhistas e previdenciários. Achataram o salário mínimo. Deixaram explodir os preços dos alimentos, do gás e dos combustíveis. Há quase 15 milhões de desempregados, 32 milhões de subempregados e uma classe média cada vez mais empobrecida.

Com o descaso e o negacionismo no combate à Covid-19, o ingrediente morte foi adicionado na desumana fórmula neoliberal de Bolsonaro/Guedes. Desalento e desesperança são as marcas do atual governo.

Para denunciar e lutar contra esse quadro sombrio, movimentos sociais, entidades da sociedade civil e parlamentares mobilizaram-se em 20 de abril, o Dia Nacional de Luta e Conscientização contra a Fome, por auxílio emergencial de R$ 600,00 até o fim da pandemia, vacina para todos e, claro, impeachment já do genocida Bolsonaro.

Neste cenário desalentador, a boa notícia para o povo brasileiro é que se começa a fazer justiça a Lula, que foi perseguido pela antipatriótica Lava Jato e agora teve sua inocência confirmada pelo Supremo Tribunal Federal e restabelecidos seus direitos políticos. Em 2003, no discurso de posse, Lula disse: “Se, ao final de meu mandato, cada brasileiro puder se alimentar três vezes ao dia, terei realizado a missão da minha vida”.

Lula realizou a missão. E esta talvez seja, hoje, a maior razão para que o povo queira sua volta ao governo, conforme apontam diferentes pesquisas: garantir que todo o povo brasileiro tenha o que comer.

*Revista Focus é um publicação da Fundação Perseu Abramo

Compartilhe

No responses yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *